Team Building… Como construir times de alta performance!

O papo de hoje é sobre construção de times, ou o famoso termo “Team Building”. Muitas empresas, agilistas e consultores inexperientes não dão muito atenção para esse assunto. Pensam da seguinte forma: “Ah…Se já temos equipes formadas na empresa, colocamos logo um quadro de tarefas na parede, uns post its, fazemos os ritos, apontamos quem vai fazer o quê, colocamos um agilista nosso para palestrar num evento de Agile e Pronto! Somos ágeis! Ta tudo certo! Agora é só tocar”…

De repente começam aparecer mais problemas do que já existiam antes do “agile” chegar! Começamos a ouvir nos corredores:

“Sprint de 2 semanas não esta funcionando com legado, por que será?”, “A área de negócio não sabe como vai fatiar as atividades..”, “Como vamos fazer entrega com qualidade se não temos tester no time?”, “Como vamos fazer entrega de produto/serviço pronto, funcionando, a cada 2 semanas se só temos 1 janela de produção por mês?”, “O prazo de entrega dos serviços dos terceiros não estão batendo com o planejamento do sprint…”, “Agora que vimos que vamos precisar de um desenvolvedor em Java Script, como vamos fazer?”, “A nossa gerência pegou o produto do outro time para continuar desenvolvendo, mas não temos expertise no nosso time pra fazer…”, “Fulano ficou doente e não vai vir trabalhar durante 1 semana, como faremos”….

Eu tenho certeza que você deu um sorrisinho ai do outro lado e pensou…

“É exatamente isso que acontece!”.

Amigos eu não sou vidente!HAHAHA.. Apenas tenho muita experiência nesse assunto e vejo isso todos os dias. A pressa é inimiga do bom. Na correria de “sermos ágeis” porque esta na moda ou por que o diretor quer, atropelamos todo o processo de transformação da empresa. A solução não é mirabolante, mas é um pouco mais lenta e sensata. “Gasta-se” tempo analisando e planejando primeiro, para “ganharmos” velocidade e qualidade de entrega, mas a frente. Mas o que eu preciso fazer para ter um Time Ágil produtivo?…

Toda mudança traz resistência e desconforto. Então, antes de fazer qualquer alteração de espaço, pessoas e responsabilidades, converse com os funcionários que trabalham no desenvolvimento do produto/serviço. Assim como, com os seus líderes e com os profissionais das áreas cross ( infra, UX, Dados) buscando entender como o trabalho é feito hoje, como a demanda chega e é internalizada no time, como as áreas cross atendem os times, quais os problemas, feedbacks, percepções, sentimentos… Levante tudo que na sua opinião for importante para ter em mente os fluxos, os conflitos e os impedimentos.

Depois, eu pelo menos faço isso, desenho no quadro ou no papel tudo que coletei e começo a pensar em atender produto/serviço. Porque na maioria das vezes temos times de 25 pessoas trabalhando com todos produtos/serviços e não entregando nada. Faço um novo mapa de produtos/serviços x time de atendimento, colocando as áreas cross e as lideranças. Apresento o novo mapa de trabalho para os líderes, envolvendo eles na solução. Logo que definimos, aí vem a parte da comunicação aos funcionários, QUE É EXTREMAMENTE IMPORTANTE PARA TERMOS O MÍNIMO DE RUÌDOS POSSÍVEL e montamos a capacitação dos times de acordo com os papéis e responsabilidades que cada um irá assumir. Após os processos definidos, os produtos e serviços divididos por times, os times capacitados, o backlog montado (leia sobre backlog aqui!), iniciamos o andamento do sprint, com acompanhamento de um Coach Ágil ou um Consultor experiente para dar feedbacks constantes. Nessa etapa é importante ter alguém experiente do lado para apoiar e suportar a transição. Todos estão aprendendo algo novo!

Abaixo listei alguns pontos importantes que gostaria de ressaltar:

  • Quando fazemos esse trabalho dos times sustentarem seus produtos/serviços vamos mexer em toda estrutura de desenvolvimento da empresa. Não tem como fazer um time e não impactar os demais, principalmente as areas cross;
  • Antes de começarmos a rodar o Agile nos times, precisamos criar estrutura para suportar o desenvolvimento dos times. Do contrário, o número de bugs que tinhamos nas entregas, vão dobrar ou até mesmo triplicar por só termos 1 janela de produção mês, mostrando que usamos post its, fazemos cerimônias, dizemos para o mercado que somos ágeis, mas não entregamos valor e nem qualidade. Não transformamos de fato o desenvolvimento dos produtos/serviços nas empresas;
  • Preparar os times para trabalhar com Agile traz mudanças no relacionamento entre líderes e liderados, pois os líderes ficam com o sentimento de perda de “controle/comando” sobre seus liderados, por não entender o processo e não poder entrar lá e pedir qualquer coisa a qualquer hora! Temos que envolve-los desde início, capacitar e dar feedbacks constantes de como está o andamento do trabalho;
  • Colocar “Scrum” para trabalhar com legado vai ser dificil dar certo. Temos profissionais que são especialistas em cada módulo do legado, partes totalmente apartadas, várias empresas terceiras prestando serviço e os prazos de entrega não batem com o tempo de entrega do sprint. Nessa caso é melhor usar Fluxo Contínuo! Vai trazer mais visibilidade para o processo e ninguém ficará com o sentimento que não deu certo;
  • O segredo para iniciar bem o processo é seguir o processo. Comece com pouco e depois vai ajustando. Se colocou muita coisa no backlog dimunui no proximo planejamento para encontrar a velocidade do time. A mesma coisa se colocou muitos itens e não conseguiu testar. Diminua o seu Sprint Backlog, mas entregue com qualidade. Se tem problemas de relacionamento,pelas pessoas não se conhecerem, faça reuniões individuais para conhecer cada um, entenda as dores e as reações. Depois promova dinâmicas de integração e trabalhe a confiança entre as pessoas do time. Dê sugestões de livros, podcasts, palestras, sites e profissionais para seguirem. Criem ambientes para compartilharem experiências, novidades, sucesso e fracasso,
  • JAMAIS, EM HIPÓTESE NENHUMA MUDE O PROCESSO DO DIA PRA NOITE ENVOLVENDO CENTENAS OU MILHARES DE PESSOAS. Você está lidando com gente e não com máquina. Só aprendemos juntando teoria, pratica, erro e adaptação. Vire os times aos poucos, pois os primeiros servirão de exemplos para os próximos e os próprios profissionais vão se ajudando;
  • Coach Ágil ou Consultor para fazer um trabalho bem feito em qualquer transformação, numa empresa precisa ter escuta ativa, empatia, foco em pessoas e processos, principalmente não julgar! Cada empresa tem a sua cultura e você esta ali para apoiar a transformação.

Lembre-se sempre, qualquer processo que você for implantar, corrigir ou melhorar, seja Agile ou não, o principal pilar sempre serão as PESSOAS!!!

Bom, espero que o post tenha ajudado!

Até mais pessoal 🙂

Deixe uma resposta